Está offline. para recarregar esta página conecte-se a uma rede.
Hoje
13º / 13º
Sustentabilidade

CMIA comemora 15 anos com 131.400 utilizadores e “excelente” trabalho na valorização do ecossistema

  • Notícias
  • CMIA comemora 15 anos com 131.400 utilizadores e “excelente” trabalho na valorização do ecossistema
O Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental (CMIA) de Viana do Castelo assinala esta terça-feira 15 anos de existência, tendo já garantido 131.400 utilizadores ao longo deste período.
Sustentabilidade | 21 junho 2022

O Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental (CMIA) de Viana do Castelo assinala esta terça-feira 15 anos de existência, tendo já garantido 131.400 utilizadores ao longo deste período. Na sessão comemorativa, o Presidente da Câmara, Luís Nobre, referiu que o CMIA “tem feito o seu papel de forma excelente”, assumindo que “tem conseguido fazer uma síntese da nossa biodiversidade, mobilizando a academia, os vários níveis de ensino e a população para que conheçam e valorizem o nosso ecossistema”, assegurando que esta cerimónia foi “uma forma de valorizar e reconhecer o trabalho do Centro de Monitorização”.

De acordo com o edil, “o grande desafio é a alteração de comportamentos para que possamos continuar a proteger o concelho, sendo ao mesmo tempo fator de atratividade para investir, visitar, viver este território”.

Ao longo destes 15 anos, o CMIA conquistou, assim, uma média anual de 10 mil utilizadores dos serviços prestados, sendo que 50% dos utilizadores são provenientes de escolas, 20% de grupos organizados e 30% público em geral. A maioria dos utentes é composta por crianças (48%), sendo 26% jovens, 24% adultos e 2% seniores.

No total, em média o CMIA promove 250 atividades por ano, sendo que são cerca de 200 atividades com grupos (escolas e similares), 20 workshops temáticos para público em geral e 30 outras atividades (dias temáticos, etc.).

No Centro de Recursos, disponível para requisição gratuita, o CMIA tem disponíveis exposições itinerantes com 25 temas, 64 publicações, 20 equipamentos para saída de campo, 2.000 livros na biblioteca, entre outros. Já a plataforma BioRegisto conta com 183 utilizadores que submeteram 2.190 bioregistos, tendo sido validadas até à data 582 espécies.

O Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental é uma infraestrutura da Câmara Municipal que resulta da recuperação das Azenhas de D. Prior (único moinho de maré da zona Norte), no âmbito do Programa Polis, inaugurado a 21 de junho de 2007.

Esta infraestrutura foi pensada de forma a otimizar as soluções do espaço edificado limitado com a possibilidade de criar áreas de visitação e de estudo. Criaram-se assim dois espaços destinados a exposições – a sala do moinho de maré como exposição permanente e a sala de exposições temporárias – e um centro de recursos composto por pequeno laboratório, uma biblioteca e uma sala de atividades.

A missão desenha-se, então, com o foco em quatro pilares: promover um espaço de debate e reflexão sobre questões ambientais emergentes; promover iniciativas de formação e informação ambiental orientadas em função do público-alvo; desenvolver um centro de recursos acessível, diversificado e versátil em diversas temáticas ambientais; fornecer informação tratada sobre os indicadores ambientais e sustentabilidade ambiental.

Para além dos projetos educativos exclusivos para escolas, o CMIA promove outras iniciativas adaptáveis a diferentes públicos – sessões de esclarecimento, conversas de fim de tarde, atividades para grupos, comemoração de dias temáticos.

Em 2011, o CMIA recebeu a menção honrosa de “Melhor Serviço de Extensão Cultural”, pela Associação Portuguesa de Museologia. Em 2016, o Município assinou protocolo com a Agência Português do Ambiente no âmbito do projeto Internacional “Monitorização do lixo Marinho” segundo a metodologia OSPAR, sendo o CMIA responsável pela coordenação local deste projeto.

Em 2018, o CMIA recebeu o prémio Natura 2000 Awards na categoria “Citizen Award” da Comissão Europeia. As candidaturas foram avaliadas por um painel independente de peritos para reduzir a lista a 25 finalistas, sendo o projeto Escola da Natureza um dos 5 finalistas na categoria “Comunicação”. O projeto não ganhou nesta categoria, mas acabou por ser galardoado com o maior prémio da cerimónia, o «Prémio do Cidadão da UE».

Resumo
Categoria
Sustentabilidade