Está offline. para recarregar esta página conecte-se a uma rede.
Hoje
15º / 15º
Mar

Dia Mundial dos Oceanos: Viana do Castelo é exemplo e referência na Economia Azul Dia Mundial dos Oceanos: Viana do Castelo é exemplo e referência na Economia Azul

  • Notícias
  • Dia Mundial dos Oceanos: Viana do Castelo é exemplo e referência na Economia Azul Dia Mundial dos Oceanos: Viana do Castelo é exemplo e referência na Economia Azul
DIA TEMÁTICO | Dia Mundial dos Oceanos assinalado na sessão "Oceanos: Pessoas e Oportunidades", no Centro de Mar.
Mar | 8 junho 2023

O Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo defendeu hoje, durante a sessão “Oceanos: Pessoas e Oportunidades”, uma iniciativa que pretendeu assinalar o Dia Mundial dos Oceanos que aconteceu hoje, que os oceanos são a próxima grande oportunidade para a economia, considerando que será mesmo “a próxima revolução industrial, mas sustentável e respeitadora”.

Na sua intervenção na sessão de boas vindas da iniciativa que contou com a presença do Secretário de Estado do Mar, José Maria Costa, o autarca sublinhou o trabalho desenvolvido por Viana do Castelo na economia e na literacia dos mares, sublinhando que o concelho é “um agente ativo” no processo da economia do mar, desenvolvendo um conjunto de projetos e ações na economia azul.

“O primeiro grande projeto foi o resgate do Gil Eannes onde está este Centro de Mar e onde se desenvolve a literacia para os oceanos, mas também o trabalho desenvolvido no espaço atlântico com a proteção dos oceanos enquanto prioridade para as politicas locais”, evidenciou Luís Nobre, defendendo um “pensamento que ajude a crescer e a posicionar Viana do Castelo nos três princípios da Estratégia Nacional do Mar”.

Na sessão, foram apresentados quatro grandes projetos para Viana do Castelo, nomeadamente o trabalho desenvolvido com o Centro de Mar desde 2014, com mais de 500 atividades educativas, com mais de dez mil crianças envolvidas e com um museu virtual da memória marítima, onde consta o espólio desmaterializado do centro e ainda os projetos educativos e outros, como é o caso do concurso de fotografia que hoje iniciou sobre “Viana e o Mar”.

Durante o evento, foi ainda destacado o trabalho com os clubes náuticos e foi apresentado o trabalho desenvolvido pelo Grupo de Trabalho do Mar, que juntou diversas entidades para reuniões com o objetivo de definir projetos para a rede da economia do mar, investigação, energia, pesca, náutica e formação e de onde já nasceram ideias de projetos como a criação de um Museu da Pesca ou a comercialização mais justa e com incentivos ao consumo das marcas locais.

O evento integrou ainda o trabalho do Plano de Ação da Agenda do Mar 20-30, que pretende consolidar todas os domínios identificados e as potencialidades do território, materializando ainda todas as iniciativas e projetos desenvolvidos pelo projeto Centro de Mar e que levou à criação de um grupo de trabalho com diversas entidades ligadas ao tema do mar em diferentes domínios – investigação e desenvolvimento, pesca, náutica, turismo, hotelaria, entre outros. Na sua intervenção, Miguel Marques lembrou que Viana do Castelo “sente e sabe que o mar é passado, é presente e será o futuro, com séculos e séculos de história e com o Gil Eannes a mostrar que Viana consegue fazer coisas incríveis”. Para o especialista na área, “Viana do Castelo é uma referência e um exemplo e está a cumprir a Década dos Oceanos”.

No Dia Mundial dos Oceanos, foi ainda apresentado o projeto ATLANTIC OFFSHORE WIND ENERGY – AOWINDE – que consiste no desenvolvimento de um plano de apoio industrial e na melhoria da cadeia de valor associada à energia eólica marítima na Euro-região Galiza – Norte de Portugal. O projeto visa analisar a necessidade de melhorar a competitividade da indústria europeia com emissões líquidas nulas e de impulsionar a rápida transição para a neutralidade climática e pretende que a região seja pioneira, através de um investimento a rondar os 1.8 milhões de euros nos próximos três anos, com destaque para um hub industrial transfronteiriço e para a criação de roteiros ligados às eólicas marítimas.

Este projeto é financiado pelo INTERREG e tem como parceiros a ASIME – Asociación de Industrias del Metal y Tecnologías Asociadas de Galicia (Chefe de fila), a AIMMAP – Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal, a Xunta de Galicia, o Instituto Enerxético de Galicia , a Universidade da Coruña, a Câmara Municipal de Viana do Castelo, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo, a Universidade de Vigo, o INESCTEC e o CATIM – Centro de Apoio Tecnológico à Indústria Metalomecânica.

Na sua intervenção, Enrique Miguel Mállon Otero, Secretário Geral da ASIME, sublinhou a importância da compatibilidade entre os intervenientes do mar: as pescas, as rotas marítimas, a indústria eólica marítima e a aquacultura marinha. “Nunca iremos defender a energia eólica marinha se esta prejudicar os restantes intervenientes, mas há que avançar e tem que haver experiências e acreditamos que há compatibilidade entre atividades”, referiu o representante da ASIME, defendendo que o projeto transfronteiriço irá permitir que a euro-região seja pioneira e um líder sólido” nesta área, sendo que a Galiza tem que se aproximar do trabalho efetuado já por Portugal e por Viana do Castelo.

Na sessão de encerramento, o Secretário de Estado do Mar evidenciou os diversos projetos em curso na área do mar e da economia azul por parte do Governo Português, nomeadamente nos ODS 14 e 17, relativos ao mar e à cooperação. “Portugal colocou na sua agenda o cumprimento destes objetivos”, observou, felicitando o município pelo cumprimento dos desafios e pelo envolvimento de todos os parceiros, “envolvendo os sectores tradicionais como a comunidade piscatória e a necessidade da coabitação do mesmo mar, porque este é um espaço de partilha e as novas atividades, tal como já aconteceu com o ordenamento do território, tem que ser harmonizadas criando o menor conflito possível e criando formas de mitigação onde não for possível”.

José Maria Costa evidenciou ainda as duas agendas: a Inova Mar e a Nexus, assim como os projetos dos Hubs Azuis, a criação de um Centro Internacional de Biotecnologia, entre outros, que permitirão novos investimentos e novas áreas de especialização. “Este é um sector em grande desenvolvimento e os projetos de Viana do Castelo são únicos e inovadores, e permitirão o desenvolvimento da região na preservação dos oceanos e na economia azul sustentável”.

Resumo
Categoria
Mar